Arquivo da tag: biopsicologia

O Poder da Astrologia

O Incontestável Poder da Astrologia.

Por Stupa Lima

A Astrologia, mesmo com 280 séculos sob registros, continua a receber críticas e maledicências, ao mesmo tempo que conquista elogios, respeito e mais adeptos. Misticismo à parte, tal conhecimento da relação macro e microcosmo está perpetuado e caminha ainda feito criança entre nós. Com efeito, esclarece questões da vida pessoal e, assim, libera a alma para a plena dissolução de indesejáveis processos que impedem o desenvolvimento da consciência. Quando se olha para a história da Astrologia, percebemos que o tempo é senhor absoluto da sua nossa trajetória; ousar questioná-lo pode ser extremamente perigoso junto ao avanço evolutivo da coletividade que a Astrologia tem o poder de penetrar com profundidade. Há quem defensa, inclusive, a partir do épico clássico “Mahabharata” (Índia) e do “Livro do Enoque” (Era pré-cristã), que foram extraterrestres os mestres que ensinaram como utilizar a simbologia cósmica para interpretar o funcionamento da raça humana. Sem dúvida, conhecimento valioso esse!!

A palavra “Astrologia” surge há apenas 10 mil anos, na Grécia. Vem de “aster” (estrela), que recebeu da raiz indo europeia “ster” (espalhar), pois entendiam os estudiosos da época que as estrelas se encontravam espalhadas pelo céu a nos guiar. No entanto, pela história das civilizações, o homo sapiens começa a dar forma à atual Astrologia no período conhecido como “Idade da Pedra Polida” ou “Neolítico”, cerca de 2mil anos antes, início da agricultura e domesticação de animais. O sedentarismo ao invés do nomadismo permitiu o ócio criativo, a contemplação, maior observação e registros dos corpos celestes em comunhão com acontecimentos ao redor. De geração em geração, tais conhecimentos são repassados, recebem novos acordes, avançam em estudos, observações e interpretações; há manutenção da reflexão sobre o todo que envolve nossa condição humana consciente. Faz apenas um século que Carl Jung legou o “arquétipos do inconsciente coletivo”, bem como a “teoria da sincronicidade” que se debruça especificamente sobre a Astrologia.

Arquétipos inquestionáveis da humanidade? Onde pode residir evolução nisso?

Lidar com o abrangente conhecimento astrológico está ao alcance de qualquer um, mas vai exigir o exercício em lidar com o imaginário, o sutil e o abstrato. Com a prática, o volume no trânsito de estímulos entre os hemisférios cerebrais aumenta e gera inteligência também emocional. Amadurecemos nesse ambiente que compõe parte fundamental da vida orgânica, ao nutrirmos o intelecto (“buddhi”, em sânscrito) com a reflexão, ou seja, com a capacidade de, aos poucos, deixarmos de ser reféns de modelos pré-estabelecidos para conquistar a libertação. Questionar tais modelos é, desse modo, momento do próprio autoconhecimento, logo, é pertinente e incentivado pela Astrologia: definimo-nos melhor por meio da pré-existência de algo.

A Astrologia, ciência ou não, provoca, altera e fomenta o rumo da vida de bilhões de pessoas. Está nas empresas e governos, junto a donas de casa e executivos de multinacionais. Possíveis críticas à Astrologia, podem estar a morder o próprio rabo de quem as emite, pois, em síntese, tamanho conhecimento milenar apresenta a própria história da evolução do homem. Ao ensiná-lo a refletir sobre modelos que precisam existir para dar suporte a odisseia da vida, desenhar à lápis uma estrada, oferecer margens por onde se possa caminhar com maior segurança, faz do precioso tempo que dispomos, algo espiritualmente construtivo em nós.  

“Viemos girando do nada, espalhando estrelas como pó. As estrelas puseram-se em círculo e nós no centro, dançamos com elas… em torno de Deus, gira a roda do céu. Segura um raio dessa roda e terás a mão decepada”. (Rumi).